domingo, 8 de junho de 2008

Cotidiano. [estória de uma vida feliz]

O sol sempre saia pela manhã e se punha a tarde. O galo cantava as cinco, mas a vida começava antes das quatro. De fora pensavam que essa vida era difícil, mas era até gostosa, vivendo-a com carinho e dignidade.
Mesmo com os pés gastos e o coração cansado, sorrisos não faltavam não. Mesmo sem luz em casa, ou a tão sonhada televisão, o que sempre sobrava era a imaginação, o que não era nenhum pouco má, para poder contar aos pequenos as estórias de guerreiros e princesas as quais costumavam imitar em suas brincadeiras de infantes.
Aos domingos a missa, os vestidos mais bonitos de cada guarda-roupa iam a capela rezar. A comida na mesa sempre se servia para mais um. O coração de cada um deles era grande. Acredite seu moço, a felicidade também.