sexta-feira, 23 de setembro de 2011

Bonita de Pedra e Céu.

Todas as águas do mundo saiam dos olhos dela. Ela chovia, desaguava, corria, parava, caía, ela chorava. Em algum lugar do tempo, o parado deu lugar ao partido. Tudo o que havia de sólido se desmanchou no ar. A vida como ela era se tornou insustentavel. O coração de amarelo de outrora, chegara de uma vez por todas ao seu fim. O santo havia quebrado, de uma vez só, e sempre.
Doeu, doeu, doeu, doía tanto agora. Que ela não sabia outra coisa a fazer, se não sentir. Sentiu tanto que acabou perdendo o sono, a fome, a vontade de ser, e inexistiu. Disseram que chovia no céu a partir dos olhos dela, no dia em que o tempo se partiu.

_

"...se tardasse voltaria, no arrudeio que se fez, lembra aquele castelinho? moraria, moraria..."
*o titulo e esse trecho entre aspas foram tirados da musica de Junio Barreto, Bonita de Pedra e Céu.

2 comentários:

Anabelly Brederodes disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Anabelly Brederodes disse...

Nesses dias "Blues" espero que a menina sinta meu coração partido junto ao seu. Vamos fazer pontes e um outro céu com nossos destroços? Vamos reinventar o mundo com os cacos de nosso ser e descobrir outros caminhos mesmo cambaleando por ai?