quinta-feira, 8 de agosto de 2013

Caminho.


(pro firmamento)
ou: postagens aleátorias.
-

A beira de minha alma corre um rio turbulento e caudaloso. As águas que correm em minha alma já foram turvas e perigosas. Ao preço da loucura encontrei a sanidade, encontrei a esperança, na base de tudo, a fé.
Meu caminho aberto e guardado, passos que seguem confiantes no depois. Haverá um dia onde tudo terá sentido, desde o mais infimo esforço até o desgaste total.
Cada caminho nunca será em vão. Eu vejo o sol. Há luz no fim, no inicio e no meio.
Todos os homens serão santos um dia. Até lá, hão de ser loucos, pedra e pó.
São muitas as vozes que me acompanham, eu sinto, eu sei, eu nunca estou só.
Agora há claridade, onde antes só esteve a escuridão.
Esperei por mim mesma, até o dia que me deixei e segui.
Tudo sempre esteve antes de mim, e sempre estará também depois.
Mil vezes eu já disse: - "sorrio, sou rio!"
Meu aprumo sempre será o mar.
Porque tenho tanto medo? Medo de mim ou do outro?
Conheço esses caminhos.
Não quero mais mágoa.
Não quero mais magoar.
Tu entende?
Faz frio e lá fora chove, aqui dentro (dentro de mim) também chove.
Mas estou em festa.
(....)
Estou em festa.
Sorrio, sou rio.
E vou.

Um comentário:

Janayna disse...

sempre podemos recomeçar.
nunca é tarde demais.