quinta-feira, 26 de junho de 2014

E vira tempestade.

O céu desabava sobre a cabeça de todos.
O céu parecia cair.
O céu branco leitoso, impedia de ver o sol, mas ele estava lá.
Dias líquidos e brancos que se misturam.
Tudo parece infinitamente parado como numa imagem.
Mas até as fotos tem movimento.
Mas agora era como se o mundo tivesse parado.
Agora não, isso faz tempo.
O tempo que não passou.
Nem passará.
Ela ficou parada vendo a chuva.
A chuva que desistiu de ser apenas, e virou então.
Tempestade.

-

"No meio do temporal, ninguém é Rei meu senhor, Ninguém é Rei meu senhor, Ninguém é Rei, Ninguém é Rei mas eu sou"

Nenhum comentário: